segunda-feira, 3 de janeiro de 2011


Delírio

No parque morno, um perfumista oculto
ordenha heliotrópios…
Deixa aberta a janela…

Minhas mãos sabem de cor o teu corpo,
e a alcova é morna…
Apaguemos a luz…

Não sentes na tua boca
um gosto de papoulas?…

Passa o lenço de seda de tuas mãos
sobre minha fronte,
e não me digas nada:
a febre está, baixinho, ao meu ouvido,
falando de ti….

Guimarães Rosa

7 comentários:

  1. Jacque

    Belo pema de Guimarães Rosa, um poeta que conheço pouco,confesso, mas valeu a pena ler.
    Obrgado Jacque.
    Beijos

    ResponderExcluir
  2. gostei amei

    lindo

    agradeço tua visita.. teu carinho

    FELIZ 2011 e sempre

    beijos querida amiga!!

    ResponderExcluir
  3. *
    não me digas nada,
    Guimarães Rosa esta escrevendo !
    ,
    conchinhas,
    ,
    *

    ResponderExcluir
  4. Jacque
    Lindíssimo poema, adorei, obrigada.
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  5. Menina
    Vc é de muito bom
    gosto,adorei
    bjosss

    ResponderExcluir
  6. Lindo JACQUE
    Votos de bom fim de semana.
    bjs
    G.J.

    ResponderExcluir
  7. Que Blog, hem!Vc está de parabéns com tantos belos poemas e de excelentes autores!

    ResponderExcluir